sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

A Era de Peixes


Ao Cancioneiro

Estar vivo
No âmago do inconsciente
Estar vivo
Na mais pura fantasia
Estar vivo
Nos mais puros sentimentos
Estar vivo
Na mais doce melodia
Por uma vida me esqueço
Que sou gente
Que sou da espécie humana
Tarde demais para lembrar...
Perdi-me ao assistir
Este teatro de horrores, de guerras
Esta verdadeira face da humanidade
Da eterna sede de poder
“O mundo é a vontade de poder”
Já disse Nietzsche.
Estar vivo
No íntimo do universo
Estar vivo
Para minhas ideologias
Estar vivo
Vivendo muito só.
(21/02/97)
Mariana Lima de Almeida.
Postar um comentário