sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Duvido.

De toda lama que há no mundo
Nenhuma é mais suja que a daqui
De todo o caos que existe no mundo
Nenhum é mais perturbador que o daqui
De toda desgraça espalhada no mundo
Nenhuma reina como aqui
De toda fumaça tóxica desse mundo
Nenhuma é tão nociva como a daqui
De toda bebida podre do mundo
Nenhuma tem mais lodo que a daqui
De toda a miséria que assola o mundo
Nenhuma mata mais que a daqui
De todo ódio que há nos corações do mundo
Nenhum odeia tanto quanto o daqui
De todas as mentiras contadas no mundo
Nenhuma mentiu tão bem quanto a daqui
De toda dor que há em toda humanidade
Duvido alguma doer tanto como a que doeu aqui.
De todo amor que falta no mundo todo
Aqui faltou também, mas não vingou
Só de vingança para minha dor
Eu amei e amei e amei
Como ninguém mais no mundo amou.

(Mariana L. de Almeida)

Postar um comentário